lolita-resenha-livro

CONTEMPLAI ESSE EMARANHADO DE ESPINHOS … VOCÊ TEM ESTÔMAGO? 

O caso entre um pervertido sexual de meia-idade e uma menina de doze anos, inevitavelmente evocam expectativas de pornografia. Mas não há um único termo obsceno em Lolita. Aos aficionados por literatura erótica, provavelmente irão se decepcionar. 


A obra declama uma perversidade original. Ilustrada de forma tão magistral e iluminada; faz uso de uma prosa espumante e um seco humor sardônico. Por mais que o assunto pedofilia seja extremamente chocante, é impossível negar a empatia do leitor para com o personagem Humbert. Ele é sem dúvida, o vilão, um predador sexual que voluntariamente rouba a inocência de uma jovem. 


Mas durante a leitura, há sempre a suspeita intrigante de que, Humbert pode ser a vítima de uma criança pervertida. A vítima de seu próprio desejo, que o torna impotente para lutar contra suas compulsões e as provocações constantes de Lolita. 


Porém, o romance sórdido é narrado por Humbert e portanto, exposto inteiramente do seu ponto de vista. As motivações e pensamentos da garota, são deixados completamente à imaginação. POLÊMICO, TRÁGICO, IRÔNICO e BRILHANTE. 


“Senhoras e senhores do júri, a prova número um é aquilo que os serafins, os próprios serafins desinformados e simplórios com suas asas preciosas, invejaram. Contemplai esse emaranhado de espinhos”.  

Detalhes do Livro

Livro:Lolita / Autor:Vladimir Nabokov / Editora:AFAGUARA BRASIL / Ano:1955 / ISBN:  978857962560 /  Nº de Páginas: 392